Você vai dançar no casamento do seu bisneto?

Você vai dançar no casamento do seu bisneto?

A maioria de nós não vai estar saudável o suficiente para dançar como fazíamos na década de 90. Mas algumas pessoas não só vão estar dançando, mas cozinhando, dirigindo e fazendo trabalhos voluntários numa idade quando deveriam estarem fracos, com demência, ou ambos. Pesquisadores, observando sempre o envelhecimento da população, estão tentando descobrir o porquê disso.

Os cientistas estão estudando o que possuem 90 e poucos anos, que vivem sem problemas físicos significativos ou mesmo problemas de memória. Isso para relacionar os hábitos saudáveis que podem nos manter em forma para viver mais e melhor.idosa

Com a expectativa de vida aumentando a cada ano, a população de 85 ou mais nos EUA deve triplicar para mais de 14,6 milhões em 2040. Os cientistas querem descobrir como podemos aumentar nossa saúde, ou a quantidade de tempo que nós vamos viver gozando de boa saúde.

“O número de pessoas que vão viver após os 90 vai ser enorme. Precisamos saber rapidamente como podemos ajudar essas pessoas a viver de forma feliz e saudável,” dizem os cientistas.

Algumas pessoas ganham na loteria genética e naturalmente viverão melhor e por mais tempo. Mas os especialistas dizem que nossos genes só contam para cerca de 20% a 30% de nossa longevidade. Isso significa que nós podemos afetar a maioria do nosso envelhecimento. ou seja, aproximadamente de 70 a 80% apenas controlando o estilo de vida nas idades atnecessoras.

Então exatamente quais hábitos importam mais?

Enquanto não há nenhuma receita pronta pra isso, estudos podem oferecer algumas pistas. Não é nenhuma surpresa que alimentação saudável e exercícios são susceptíveis de ter um papel em quão bem nós envelhecemos. Mas eles estão longe de ser as únicas coisas envolvidas, e podem não ser os mais importantes.

Aqui está o que os investigadores encontraram recentemente.

Zonas Azuis

O Cientista Dan Buettner pesquisou pessoas que vivem até os 100 anos ou mais desde 2000. Ele trabalhou com a National Geographic para identificar zonas de cinco”azul” que tem a maior porcentagem de pessoas mais longevas do mundo. As pessoas nestas zonas também viviam relativamente livre de doenças comuns ao envelhecimento, tais como doenças cardíacas, diabetes e câncer.

Os EUA têm apenas uma zona azul: a comunidade adventista de Loma Linda, CA. Outras comunidades incluem Ikaria, Grécia; Sardenha, Itália; Okinawa, Japão; e Nicoya, Costa Rica.

Aqui está o que eles tinham em comum:

  • Uma dieta baseada em vegetais..–feijões, cereais integrais, legumes.
  • Oportunidades para o movimento natural, como andar, pastoreio e jardinagem.
  • Ter um senso de propósito bem claro.
  • Pertencer a uma comunidade baseada na fé.
  • Tirar uma soneca diária ou encontrar outra maneira de descansar diariamente.
  • Não comer em excesso e não comer após o pôr do sol.

Buettner cita amplamente em suas palestras a importância dos alimentos, do movimento, da oração e do propósito, ele tem proclamado suas descobertas em vários livros e no projeto de zonas azuis. Porque poucas pessoas nos Estados Unidos vão adotar estes hábitos, porém este projeto foi adotado em 2009 por uma cidade no estado de Minnesota, visando encontrar maneiras de tornar as comunidades mais saudáveis.

Desde então, cerca de 40 comunidades em todo o mundo tem adotado seus princípios, transformando espaços públicos, parques, escolas, mercearias e restaurantes, para incentivar a alimentação saudável e interação social. Alguns estão criando caminhos específicos para pedestres. As escolas podem proibir alunos de comer em qualquer lugar mas no refeitório. E condições de não-fumantes estão dificultando este hábito em todo mundo.

“Queremos dar opções mais saudáveis, sem entretanto forçar ninguém a fazer a escolha saudável em contraponto à escolha mais fácil. Isso leva à longevidade e à conectividade social”, disse Sam Skemp, um gerente de projetos de zonas azuis com a organização baseada em Minneapolis – EUA. Skemp diz que eles podem medir o progresso através da redução da obesidade e taxas de redução do fumo, quanto as pessoas comem e quanto tempo eles passam se exercitando.

Em cidades de praia, um aglomerado de comunidades de praia na Califórnia que fazem parte do projeto zonas azuis, a obesidade caiu cerca de 15% em adultos e pararam de fumar cerca de 16% das pessoas entre 2010 e 2015. Em Cedar Falls, IA, a taxa e fumantes caiu 50% entre 2012 e 2015 e obesidade foi reduzida em 15% em um ano.

Mantendo seu cérebro Afiado

Uma dieta baseada em vegetais e exercícios podem evitar doenças e nos manter fisicamente saudáveis. Podem também nos manter mentalmente saudáveis? A maior causa de doença de Alzheimer é o envelhecimento, e o aumento da demência em idades superiores aos 85 anos.

Quando se trata de memória e pensamento, estudos sugerem que o exercício é uma das melhores maneiras de manter nossa mente afiada. Lopez e colegas na centro de pesquisa da doença de Alzheimer do Universidade de Pittsburgh descobriram que exercícios constroem células cerebrais.

“Já vimos que as pessoas que andam mais de 72 quarteirões por semana tinham volumes melhores de massa cinzenta no cérebro, e se você seguir estas pessoas ao longo do tempo, verá que o risco de demência diminui. É relativamente barato, e ajuda para a saúde geral e saúde cognitiva,” diz. Além disso, as pessoas muitas vezes andam acompanhadas com outras pessoas e pode ter o almoço que inclui uma taça de vinho. Se eles comem peixe, melhor ainda para o cérebro, diz Lopez.

velhinhos

Pesquisador do Alzheimer Claudia Kawas, MD e seus colegas da Universidade da Califórnia, Irvine, estão olhando como estilo de vida, exercício e dieta, entre eles, afetam a saúde do cérebro entre o“velhos mais velhos”.

A equipe de pesquisa descobriu uma conexão entre um coração saudável e uma menor chance de ter demência. Seus súditos também tinham pelo menos uma coisa em comum com a gente em cinco zonas azuis: assistiram cultos a cada semana.
Eles também:
  • Bebiam pelo menos 1-2 xícaras de café diariamente.
  • Tinham o hábito de leitura.
  • Participavam de atividades de lazer físicas e não-físicas.
  • Tomavam uma dose de bebida alcoólica a cada dois dia.
Kawas diz que a conexão entre a saúde do cérebro e estilo de vida pode não ser tão direta. Por exemplo, a socialização que vai junto com um martini no final da  tarde pode ser mais importante para o estado de alerta mental que a vodka que está bebendo.

Ela diz que os investigadores também estão tentando descobrir por que algumas pessoas que têm os genes que aumentam as chances de ter Alzheimer não desenvolvem a doença. Outras pessoas têm placas e emaranhados no cérebro deles muitas vezes encontraram-se com a doença e ainda não têm problemas com a memória.

Kawas sugere que uma dieta saudável e atividade física podem criar uma certa “resiliência” em pessoas que podem ter o potencial genético para desenvolver a doença de Alzheimer, mas não.

Mas dieta é difícil de estudar, diz ela. De todos os factores, a educação parece ser mais forte que para manter a saúde do cérebro, diz Kawas.

Quanto maior seu nível de educação, é mais provável de você manter a cognição normal, em face da patologia da doença de Alzheimer,” diz Kawas, um professor de neurobiologia do UCI School of Medicine. “Isso é uma coisa meio ambiente. Dieta e exercício podem ser um deles, mas eles não são toda a história.”

Natureza versus ambiente

Algumas pessoas são geneticamente predispostas para viver mais que outras, não importa o que ou quanto elas comam.

Sofiya Milman, MD, é parte de uma equipe de pesquisa na Albert Einstein College of Medicine, em Nova York que tem estudado pessoas entre 90 e 100 anos de idade. Eles e seus filhos são todos judeus Ashkenazi, descendem dos judeus da Europa Oriental. O projeto de Genes da longevidade, que começou com 500 participantes com idades de 95 a 112, encontrou uma conexão forte entre genes protetoras e uma vida longa.

Mesmo com estilo de vida tido em conta, seus genes compensam os efeitos de maus hábitos. Os centenários no estudo não olharam seus pesos ou suas dietas.

“Havia muito poucos vegetarianos no grupo ou pessoas que evitaram o sal ou a carne ao longo da vida”, diz ela. O estudo, ramificou para outro que está seguindo pessoas em meados dos anos 60, que tem um pai, pelo menos, com 100 anos de idade. Pesquisadores querem ver o quanto as crianças com pais de 100 anos de idade vs pessoas com pais não-centenários. Até agora, eles estão envelhecendo bem, diz Milman.

“Eles têm menos doenças do coração, menos declínio cognitivo, menos doença de Alzheimer,” ela diz. “Prevemos que também vão viver muito mais tempo.”

Milman, um endocrinologista, diz que a pesquisa mostra que pessoas com longevidade na sua família tem genes protetores que mantém as doenças da velhice como doenças cardíacas, osteoporose, câncer, diabetes, à distância de 20 a 30 anos a mais que a média das pessoas.

“Se você tem genes de proteção, talvez eles te protegerão dos efeitos negativos do ambiente,” diz Milman. “Mas a maioria de nós não tem esses genes protetores, por isso é importante o exercício.”

A expectativa de vida humana aumentou quase 30 anos sobre o último século, assinala Kawasliderada por avanços médicos e tecnológicos, mesmo básicos, tais como sistemas de tratamento de esgoto e água potável. Hoje um velho de 80 anos, tem menos chances de desenvolver a doença de Alzheimer do que  30 anos. Porque os médicos hoje em dia agem para gerenciar a pressão de sangue elevada, o risco de acidente vascular cerebral também diminuiu, diz Kawas.

 

Qual o Conselho dos Kawas para aumentar a longevidade? As provas mostram que uma dieta baseada em vegetais e ficar em  são importantes, diz ela, além de estar envolvido em atividades que mantém a mente afiada.

“Faça o que sua mãe lhe disse para fazer: faça exercícios físicos, use seu cérebro, limite o estresse, descanse e seja gentil com as pessoas.”

2 ideias sobre “Você vai dançar no casamento do seu bisneto?”

  1. Pingback:O Glúten faz mal à saúde? | Viva Melhor!

  2. Olá,
    Concordo plenamente com o artigo!
    Afinal são pequenas atitudes que deixarão nossa saúde melhor e irão dar mais vitalidade ao nosso organismo, bem como a forma com que nos alimentamos e nos exercitamos!
    Adorei as dicas e são de extrema importância!
    Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *